target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Leitura Recomendada
target="_blank">Some alt text
Lançamentos e Eventos
target="_blank">some alt text
Escolha do Leitor
target="_blank">some alt text
Conheça o Autor
target="_blank">Some alt text
Livros Importados
target="_blank">Some alt text
Digno de Nota

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

“TIGANA”: A Lâmina na Alma – Livro 1 (Guy Gavriel Kay)


Não existem caminhos errados. Apenas caminhos que você não sabia que teria de percorrer.
~~~*~~~
Oito das nove províncias da Península da Palma, em um mundo orbitado por duas luas, foram conquistadas pelos feiticeiros Brandin de Ygrath e Alberico de Barbadior. Durante a guerra pela conquista, o filho mais novo de Brandin é morto em uma batalha com a província de Tigana. O feiticeiro tomado pela dor da perda, destrói Tigana. Mas isso não bastava para diminuir sua dor… Depois de arrasá-la com seu exército, ele usa sua magia para amaldiçoar aquela terra, e faz com que qualquer não nascido na província de Tigana seja incapaz de lembrar de sua existência e até ouvir o seu nome.

Anos mais tarde, um pequeno grupo de sobreviventes, liderados por Alessan, último príncipe da casa real de Tigana, empreende uma guerra psicológica, semeando a derrubada dos dois tiranos. No centro destas atividades está Devin, jovem e talentoso cantor itinerante; Catriana, uma jovem perseguida, e Duke Sandre d'Astibar, um líder astuto da resistência.

Enquanto isso, na corte de Brandin, Dianora, sua concubina favorita, e outra sobrevivente de Tigana – luta entre seu amor crescente para o tirano e seu juramento de vingança. Aos poucos, eles montam o cenário para que ambos os conquistadores se destruam e libertar Tigana, a terra que foi fadada ao esquecimento.
~~~*~~~
A Lâmina na Alma é a primeira parte do livro Tigana escrito pelo autor canadense Guy Gavriel Kay. Essa é uma obra de apenas um volume, mas que foi dividida em duas partes na edição nacional. Particularmente, não gosto dessas divisões, pois não acho que seja adequado avaliar um livro lendo apenas metade da história. Então, vou tentar expor da melhor forma possível minhas primeiras impressões sobre Tigana.

Confesso que A Lâmina na Alma não foi uma leitura empolgante, pelo menos no início. O autor começa a obra como se o leitor já tivesse algum conhecimento de seu universo fictício. Fiquei meio perdida na trama. As informações que compõe a estrutura social, política e os meandros desse mundo são reveladas aos poucos e num ritmo lento, o que tornou a leitura um tanto arrastada para mim. Quando comecei a apreciar os desdobramentos do enredo, o autor muda o foco e nos apresenta um novo personagem, e pouco depois o livro acaba.

Essa divisão foi um anticlímax para mim, pois já iniciei a leitura com certo receio e quando o livro terminou sem um desfecho e com arestas a serem aparadas, fiquei ainda mais desgostosa. 
O enredo concentra-se num grupo de rebeldes que tentam derrubar dois poderosos feiticeiros que governam a região – Brandin e Alberico –, e recuperar a memória de sua terra natal. A província de Tigana resistiu às investidas de Brandin, matando seu filho em uma batalha. Como retaliação, o feiticeiro destruiu e amaldiçoou a província – relegando seu nome e sua história ao esquecimento. Somente os nascidos em Tigana são capazes de lembrar de sua existência. Tigana fala sobre lealdade, dedicação, amizade, coragem, liberdade e principalmente patriotismo – princípios que fundamentam toda a trama. É uma história de perda, e o desejo de reconquistar um passado esquecido é o combustível que move um povo em busca de vingança e libertação.

A narrativa em terceira pessoa é bem descritiva e repleta de detalhes, onde cada pensamento e lembranças dos personagens estão repletos de emoções. Acompanhamos a história sob vários pontos de vista, o que só enriquece a trama. Essa não é uma história do bem contra o mal absoluto, pois cada personagem possui facetas que os tornam mais humanos, onde são passiveis de erros, crueldades e benevolência. Nessa primeira parte podemos perceber o quanto a história de Guy Gavriel Kay é forte e bem construída.

Mesmo assim, Tigana não conseguiu me cativar... Faltou ação e não me senti motivada. Como eu disse no início da resenha, é difícil avaliar um livro lendo apenas metade da história. Para os leitores que não se importam em ler uma história incompleta, Tigana é uma boa pedida. Mas o ideal mesmo é esperar o lançamento da segunda parte e ler o livro todo de uma só vez.

Gavriel Kay, Guy. Tigana: A Lâmina na Alma. Saida de Emergência Brasil, 2013. 368 p. (Tigana, Livro 1)



Postagens populares

seguidores

LENDO NAS ENTRELINHAS Copyright © - Todos os Direitos Reservados

desenvolvimento EMPORIUM DIGITAL