target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Leitura Recomendada
target="_blank">Some alt text
Lançamentos e Eventos
target="_blank">some alt text
Escolha do Leitor
target="_blank">some alt text
Conheça o Autor
target="_blank">Some alt text
Livros Importados
target="_blank">Some alt text
Digno de Nota

quarta-feira, 19 de junho de 2013

“TRÍPTICO” (Karin Slaughter)

Ele se virou e olhou para as pinturas sobre a lareira. Era um tríptico, três telas unidas que formavam uma imagem quando abertas e outra imagem quando fechadas. Will sempre acreditou que ela gostasse da dualidade da obra. Era exatamente como Angie, uma por dentro, outra por fora…
p. 251
~~~*~~~
Um predador está à solta em Atlanta. Suas presas são adolescentes, meninas que vivem tanto em bairros chiques quanto nos conjuntos habitacionais dos subúrbios. A única ligação entre as vítimas é a marca do assassino: de forma fria e cruel, suas línguas são arrancadas a dentadas depois de serem brutalmente estupradas.

Mas as regras do jogo parecem ter mudado quando uma prostituta negra de meia-idade, viciada em drogas, é encontrada morta com o mesmo “modus operandi”. A frente do caso está o detetive Michael Ormewood, um veterano de guerra durão, cuja arrogância o torna uma pessoa difícil e de poucos amigos. Michael não gosta de dividir atenção, muito menos os detalhes de suas investigações. Por isso, não encarou com bons olhos quando o agente Will Trent – do Georgia Bureau of Investigation – foi designado como consultor do caso.
Will é um homem circunspecto, que mergulha de cabeça nas investigações para não fraquejar em sua disposição. O agente esconde um grave problema, que poderia constrangê-lo perante os colegas e diminuir a confiança em seu trabalho… Will é dislexico.
O clima entre Will e Michael só piora quando entra em cena Angie Polaski, uma policial que trabalha nas ruas disfarçada de prostituta e que afirma ter informações sobre a mulher assassinada.

O caso parece não progredir, pois as pistas não levam a lugar nenhum. Até que, durante uma averiguação de antecedentes criminais, eles se deparam com a ficha de um condenado a prisão perpétua. John Sheley, acaba de conquistar a liberdade condicional e tenta refazer sua vida. Mas seus erros do passado não irão deixá-lo em paz tão cedo… Os assassinatos deixaram um rastro que levam os policiais diretamente a ele.
~~~*~~~
Tríptico – primeiro volume da série Will Trent de Karin Slaughter – é um thriller policial de tirar o fôlego. Com livros traduzidos para mais de 30 idiomas e 25 milhões de exemplares vendidos, Karin Slaughter se tornou uma das mais importantes autoras de thrillers dos Estados Unidos. Sucesso mais do que merecido, pois Tríptico é um exemplo de thriller engenhoso. Personagens intrigantes e com personalidades repletas de matizes; trama inteligente – construída de forma a provocar tensão – e com reviravoltas instigantes.

O livro é dividido em três partes. Na primeira, o leitor é levado a acreditar que o enredo tomará um rumo comum, pois somos apresentados a um homicídio e ao início da investigação. Porém, logo em seguida Slaughter deita por terra toda crença que o leitor construiu até o momento. A autora foi ardilosa... Ela nos dá pistas desde o início, mas que não chamam nossa atenção em um primeiro momento. Só vão fazer sentido quando começamos a organizar a peças apresentadas.

A grande sacada da trama não é descobrir a identidade do assassino, pois esta nos é apresentada pouco a pouco, numa sequencia de relatos e pistas. O que torna Tríptico tão instigante é a tensão de saber os contornos do crime, pois a história é contada sob pontos de vista variados, e perceber que os personagens não têm a mesma perspectiva e ainda não perceberam o que realmente está acontecendo.

A autora foca o enredo no desenvolvimento psicológico e emocional dos personagens, deixando um pouco de lado a ação. Entretanto, esse aspecto foi o que me seduziu, pois todo o contexto da trama está diretamente ligado à intimidade dos personagens. A autora tem um estilo próprio, tanto de construção quanto de escrita, e são essas diferenças que não me deixam enjoar do gênero.

Metade do atrativo dos thrillers está no mistério. Então, se possuem interesse em ler Tríptico, segurem a curiosidade e evitem saber demais sobre o livro.
Enfim, Tríptico foi uma leitura danada de boa. Espero que os outros volumes da série sejam lançados em breve. Leitura imperdível para os fãs de um bom thriller policial.

Slaughter, Karin. Tríptico. Record, 2012. 392 p. (Will Trent, Vol. 1)

Postagens populares

seguidores

LENDO NAS ENTRELINHAS Copyright © - Todos os Direitos Reservados

desenvolvimento EMPORIUM DIGITAL