target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Leitura Recomendada
target="_blank">Some alt text
Lançamentos e Eventos
target="_blank">some alt text
Escolha do Leitor
target="_blank">some alt text
Conheça o Autor
target="_blank">Some alt text
Livros Importados
target="_blank">Some alt text
Digno de Nota

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

“PERDIDO EM MARTE” (Andy Weir)

Se o oxigenador quebrar, vou sufocar. Se o reaproveitador de água quebrar, vou morrer de sede. Se o HAB se romper, vou explodir. Se nada disso acontecer, vou ficar sem alimento e acabar morrendo de fome.
Então, é isso mesmo. Estou ferrado.
p. 14
~~~*~~~
O pesadelo começou seis dias após o início daqueles que deveriam ser os dois meses mais importantes da vida de Mark Watney. Uma tempestade de areia forçou a tripulação da Ares 3 a abortar a missão e partir do planeta vermelho. Certos de que Mark havia morrido em um acidente durante a tempestade, eles o deixaram para trás.

Ao recobrar a consciência, Mark percebe que está sozinho em Marte e que suas chances de sobreviver são ínfimas. Ele foi a décima sétima pessoa a pisar em Marte, mas provavelmente será a primeira a morrer no planeta vermelho.

Sua situação é a seguinte: ele está perdido em Marte, não tem como se comunicar com a Terra, todos acham que ele está morto e está em um HAB (módulo de habitação) projetado para durar 31 dias. Suas chances não são nada promissoras… Mesmo se conseguisse avisar que ainda está vivo, seus suprimentos acabariam antes da chegada de um possível resgate.

Ainda assim, Mark não está disposto a, simplesmente, deitar e morrer. Munido apenas de seu desejo de viver, perspicácia e habilidades de engenheiro e botânico, ele está disposto a trilhar seu caminho rumo à sobrevivência.

Será o primeiro homem a plantar batatas em Marte e usando todos seus conhecimentos de química, física, engenharia e muita fita adesiva, Mark traçará um plano para entrar em contato com a NASA e, quem sabe, sair vivo de lá. 
~~~*~~~
Perdido em Marte – romance de estreia do americano Andy Weir – é uma aventura que surpreenderá os fãs de ficção científica. O livro será adaptado para o cinema e estrelado por Matt Damon, confesso que estou curiosa em relação ao filme.

A trama gira em torno do drama do astronauta Mark Watney, que foi abandonado em marte após ter sido erroneamente considerado morto. O que torna a história atraente, pelo menos para mim, é a ideia de alguém conseguir manter-se vivo em um ambiente tão inóspito. Não é só o fato de Watney lutar pela sobrevivência que faz com que o enredo seja interessante, mas principalmente a capacidade do personagem em manter-se são, perseverante e bem-humorado diante de uma situação desesperadora. Tudo conspira contra Mark Watney e, mesmo assim, ele consegue brincar e satirizar sobre a situação em que se encontra.

Apesar do tema ter uma aura de desastre, pois parece improvável que Mark vá conseguir sobreviver por muito tempo, a história transmite esperança e demonstra o quão persistente o homem pode ser. Eu não teria tanto sangue frio, fico aterrorizada só de imaginar estar presa sozinha em um elevador, quem dirá no planeta vermelho! Mas é exatamente o otimismo, a disposição, o bom humor e, principalmente, a engenhosidade para encontrar soluções para os obstáculos que fazem de Mark Watney um protagonista especial e tornam a leitura extremamente envolvente e divertida.

Por outro lado, o estado emocional de Mark não é convincente. Mesmo sendo uma pessoa otimista por natureza, não acho crível a calma e descontração do protagonista apresentada no livro. Faltou explorar de maneira séria os efeitos psicológicos e emocionais de uma pessoa isolada e com pouquíssimas chances de sair com vida. Eu adoro finais felizes, mas prefiro uma abordagem mais realista.

Particularmente, um dos maiores pecados nos livros sci-fi são os excessos de termos relativos à tecnologia e ciência que alguns autores introduzem na trama. Perdido em Marte não fica atrás, Andy Weir faz longas explanações sobre a missão a Marte – parte que achei extremamente interessante –, dados técnicos sobre as instalações que dispõe e equipamentos. O autor se estende em demasia em algumas explicações, e confesso que fiquei entediada em alguns capítulos, porém não chegou a comprometer meu ritmo de leitura. Na verdade, todo o discurso didático é importante para que o leitor entenda como Mark está lutando para conseguir manter seu suporte à vida até um possível resgate. Sim, há passagens um tanto monótonas, mas são esclarecedoras e importantes para um bom entendimento do enredo.

Perdido em Marte não é somente um livro de ficção científica sobre uma missão mal sucedida à Marte, é especialmente sobre humanidade, esperança e o desejo inerente de sobrevivência. Um livro que agradará tanto aos fãs de sci-fi quanto aos leitores que estão ingressando no gênero. 

Postagens populares

seguidores

LENDO NAS ENTRELINHAS Copyright © - Todos os Direitos Reservados

desenvolvimento EMPORIUM DIGITAL