target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Leitura Recomendada
target="_blank">Some alt text
Lançamentos e Eventos
target="_blank">some alt text
Escolha do Leitor
target="_blank">some alt text
Conheça o Autor
target="_blank">Some alt text
Livros Importados
target="_blank">Some alt text
Digno de Nota

quarta-feira, 8 de abril de 2015

“A FAZENDA” (Tom Rob Smith)

Grande parte depende de você acreditar em mim, mais do que é justo esperar de você. Eu admito que com tanta coisa em risco é tentador explorar nossa relação e brincar com suas emoções. (…) Por essa razão, você não deve pensar em mim como sua mãe, mas como Tilde, a acusadora.
Não se deixe abalar! Seja objetivo. Este é seu único dever hoje.
p. 30
~~~*~~~
Sinopse:

Até o momento em que ele recebeu um telefonema desesperado de seu pai, Daniel acreditava que seus pais estavam indo para uma aposentadoria tranquila, bem merecida. Eles venderam sua casa de negócios em Londres e disseram “adeus para a Inglaterra” com uma festa alegre onde todos os seus amigos se reuniram para desejar-lhes bem para a grande aventura: sair para começar uma nova vida sem um controle remoto, numa fazenda bucólica na zona rural Suécia. Mas, com um telefonema, tudo muda. “Sua mãe não está bem” seu pai lhe diz. “Ela está imaginando coisas – terríveis, coisas terríveis. Ela teve um surto psicótico e foi internada em um hospital mental”.

Daniel se prepara para correr para a Suécia, no primeiro voo disponível para o dia seguinte. Antes que ele possa embarcar no avião, seu pai contatá-lo novamente com uma notícia mais assustadora: sua mãe foi liberada do hospital, e ele não sabe onde ela está. Em seguida, ele ouve de sua mãe: “Tenho certeza que seu pai falou com você. Tudo o que o homem lhe disse é uma mentira. Eu não sou louca. Eu não preciso de um médico. Preciso da polícia. Estou prestes a embarcar em um voo para Londres. Encontre-me no aeroporto de Heathrow”. 
 
Pego entre seus pais, e não tem certeza de quem acreditar ou em quem confiar, Daniel torna-se juiz e o júri disposto de sua mãe quando ela diz-lhe um conto urgente de segredos, de mentiras, de um crime horrível e uma conspiração que implica o próprio pai.
~~~*~~~ 
A Fazenda – lançamento de Tom Rob Smith no Brasil – foi um livro que despertou meu interesse assim que li sua sinopse. Quando soube que seria publicada outra obra do autor de Criança 44, aclamado romance policial cujos direitos foram adquiridos para uma adaptação cinematográfica, A Fazendo entrou disparado para minha lista de desejados. Bem… as expectativas eram altíssimas e, infelizmente, o livro não conseguiu atingi-las.
A estrutura narrativa não colaborou para que a trama me envolvesse. Ficamos diante de dois personagens, onde um exerce o papel de narrador e o outro de ouvinte – que reflete e analisa a história que está sendo contada. Dois terços do livro são focados em relatos de eventos que ocorreram no passado e suas possíveis repercussões. Confesso que achei o andamento da história lento e maçante a maior parte do tempo. O que ameniza a sensação de morosidade são os capítulos curtos e enxutos que o autor escreveu.

Em contrapartida, meu interesse foi aguçado pelo mistério em torno de Tilde. Durante seu relato, foi impossível não questionar sua sanidade mental e o quanto de sua história era real.
Há um forte componente psicológico e emocional envolvido na trama. Aliás, o enredo coloca em xeque a credibilidade de Tilde. De um lado temos a personagem afirmando a existência de uma conspiração para desacreditá-la, e de outro, personagens que tentam provar seu desequilíbrio emocional e mental. Sua narração é tão febril que nos convence de que todas as suas suspeitas possuem um fundo de verdade. Entretanto, ao longo da história, suas desconfianças sem fundamentos, sua fixação em achar que todos estavam contra ela e que um crime terrível estava sendo encoberto, minaram totalmente minha fé. Cheguei a conclusão de que Tilde, definitivamente, não batia bem. 

Daniel, nosso ouvinte cujo papel era inferir sobre os fatos apresentados e julgá-los, me pareceu um personagem fraco e de caráter influenciável. Apesar de entender que Daniel estava “entre a cruz e a espada”, de ter sido apresentado a duas versões da mesma história, fiquei com a impressão de que ele nunca acreditou nos relatos de Tilde. A cada “prova” apresentada Daniel já tinha algo em mente para contestá-la. Por outro lado, esse foi o papel que o autor planejou para ele, pois só assim o leitor poderia refletir e decidir em quem acreditar. 

O desfecho foi ao mesmo tempo previsível e surpreendente para mim. Eu vislumbrei qual seria a conclusão de Daniel, porém não imaginei a causa e a motivação de todo o mistério. Foi um bom final.

A Fazenda é um thriller psicológico mais denso, com uma narração minuciosa e paulatina. Acredito que os fãs de suspenses bem planejados e que não priorizam a presença de ação, irão apreciar o livro. Vale a pena conferir pelo seu estilo incomum e clima perturbador.

Postagens populares

seguidores

LENDO NAS ENTRELINHAS Copyright © - Todos os Direitos Reservados

desenvolvimento EMPORIUM DIGITAL