target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Leitura Recomendada
target="_blank">Some alt text
Lançamentos e Eventos
target="_blank">some alt text
Escolha do Leitor
target="_blank">some alt text
Conheça o Autor
target="_blank">Some alt text
Livros Importados
target="_blank">Some alt text
Digno de Nota

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

“SOLITÁRIA” – Fuga de Furnace (Alexander Gordon Smith)

Morreríamos ali, da maneira mais lenta e angustiante possível. Isso não poderia acontecer; o mundo lá fora precisava saber… Só que eu nem sequer fazia ideia de que o mundo lá fora continuava a existir. Para ser honesto, já não tinha certeza se algum dia existira. Havia apenas Furnace. Ela era nosso mundo, nosso túmulo, nosso inferno.
Pág. 56
~~~*~~~
(pode conter spoiler para que não leu o primeiro livro da série)

Após arquitetarem um plano de fuga e mandarem a Sala Dois pelos ares, Alex e seus companheiros se jogam no rio que corre sob Furnace. Entrar naquela correnteza feroz foi como cair para a morte. Mas ainda não havia chegado a hora de dar o último suspiro…

Alex acreditava que poderia alcançar a liberdade, mas sua esperança foi logo substituída pelo terror. A explosão não os havia levado nem um centímetro em direção à superfície, pelo contrário, os jogou ainda mais nas profundezas de Furnace. Nada de luz do sol, ar fresco ou liberdade, apenas escuridão e rocha. Agora, eles estavam presos num lugar tão perigoso quanto Furnace. Enterrados vivos.

Então, vieram os guardas. E depois, os cães. Não havia para onde correr, apenas penetrar ainda mais no interior daquele inferno.
A fuga já não era mais tão importante. Eles só queriam sobreviver, pois o pesadelo estava apenas começando…
~~~*~~~
"Solitária" é o segundo volume da série Fuga de Furnace escrita pelo britânico Alexander Gordon Smith. Começo essa resenha dando um aviso aos interessados em ler Solitária… evitem a sinopse do livro, pois está repleta de spoilers. A não ser que não se importem com isso. Aliás, o título também é um spoiler.

Na resenha do primeiro livro da série – Encarcerados - eu comentei que o autor revelou pouco sobre os segredos de Furnace. O leitor ficava em suspense, sem saber o que realmente estava acontecendo no interior da prisão. Porém, nesse segundo volume, a maioria das dúvidas são esclarecidas. Aqui, o leitor consegue ter uma boa ideia do que acontece nas profundezas de Furnace. Ainda não sei explicar minha enorme atração por essa série. Em alguns momentos acredito que seja a trama instigante, outros a narrativa penetrante do autor – afinal é raro encontrarmos um thriller de terror juvenil escrito de forma mais adulta e impactante.

"Solitária" foi uma leitura de tirar o fôlego, literalmente. Não que haja ação a cada página, mas porque o ambiente de "Solitária" é opressivo e sufocante. Alex está em uma situação que deixaria qualquer pessoa paranóica, onde as debilidades físicas são gradativamente vencidas pelas psicológicas. Alexander Gordon Smith trabalha intensamente esse aspecto, entrando na mente do protagonista de forma intimista. A narrativa do autor provoca tensão; todo desespero, angustia, esperança e impotência atingem o leitor em cheio. Sou suspeita para falar, pois adoro narrativas que me fazem sentir na pele o que os personagens estão passando. Sim, a história é ficção elevada a décima potência, mas eu me envolvi demais com os dramas de Alex Sawyer.

Alex não é um herói convencional. Ele foi um adolescente valentão e criminoso, mas enquanto luta pela sobrevivência em Furnace, é obrigado a encarar seu verdadeiro “Eu”– o ódio, a vergonha, os crimes e pecados – são todos expostos. Apesar de Alex ser um delinquente juvenil, ele não merece a punição cruel de Furnace. O leitor se compadece dos garotos, principalmente porque temos a sensação de que não há escapatória, mas a esperança nunca é deixada de lado. Pois, sem a esperança de liberdade, a única coisa que resta é a morte.
O cenário poderia ser um ponto negativo, pois a ambientação é praticamente uma só. Mas Smith faz das entranhas de Furnace uma peça importante do enredo, um personagem a parte. Ele vence a escassez de cenário usando as lembranças e devaneios de Alex. O autor foi capaz de escrever capítulos inteiros dentro de um buraco dos infernos sem se tornar monótono. Gostei muito disso.

Acho que deu para perceber que sou fã da série Fuga de Furnace. Ansiosa para ler a continuação, espero que não demore muito para ser lançada por aqui.

Smith, Alexander Gordon. Solitária. Benvirá, 2012. 259 p. (Fuga de Furnace, Vol. 2)

Postagens populares

seguidores

LENDO NAS ENTRELINHAS Copyright © - Todos os Direitos Reservados

desenvolvimento EMPORIUM DIGITAL